Página em construção *

 

Para realizar grandes sonhos [ necessitamos grandes sonhos. [Hans Seyle]

 

Getúlio Vargas,  o gaúcho que mudou o Brasil, governou o país durante duas décadas do séc.XX.  Chegou ao poder numa revolução, manteve-se através de um golpe, e retornou nos “braços do povo”, conjunto de circunstâncias singulares na história contemporânea mundial tornando-se uma das mais importantes, senão a mais destacada personalidade da história brasileira contemporânea.

PÉRON + VARGAS,  quem diria !

No primeiro semestre de 2005,  a editora Record publicará um livro de autoria do jornalista paulista Hamilton Almeida, cujo título provisório é “Sob os Olhos de Perón – O Brasil de Vargas e as Relações com a Argentina”.

O prefácio da obra foi escrito pelo historiador gaúcho Décio Freitas falecido em março de 2004 e revela que Perón financiou a campanha presidencial de Getúlio Vargas. Segundo o jornalista, documentos inéditos localizados em Buenos Aires, onde foi correspondente dos jornais Zero Hora e Gazeta Mercantil Latino-Americana, de 1994 a 2001, mostram que os “homens de Perón” acompanharam tudo o que acontecia no Brasil traçando interessante visão do país, do governo Vargas e das pessoas influentes à época.

Almeida merece crédito pelo seu mais recente livro, relatando a dramática e praticamente desconhecida história do cientista Roberto Landell de Moura (1861-1928), que a editora Debras Verlag, da cidade de Konstanz, Sul da Alemanha, lançou em 2004 com titulo de “Pater und Wissenschaftler” (“Padre e Cientista”).

Conheça o Porto-alegrense que inventou o rádio e a TV  clicando aqui ó

 

Sobre a Dualidade do Universo:  Tudo e todos que nos cercam, e nós mesmos... Percebê-la: Decisivo passo na Jornada do Saber:  Clique aqui ó

 

Bibliografia.  Getúlio Dornelles Vargas nasceu em São Borja (RS) no dia 19 de abril de 1882, filho de Manuel do Nascimento Vargas e de Cândida Dornelles Vargas. Foi deputado federal pelo Rio Grande do Sul (1923-1926), Ministro da Fazenda (1926-1927), Presidente do Rio Grande do Sul (1928-1930), Revolucionário em 1930, Presidente da República (1930-1945), Constituinte em 1946, Senador pelo Rio Grande do Sul (1946-1949) e Presidente da República (1951-1954). Suicidou-se com um tiro no peito na madrugada de 24 de agosto de 1954, no Rio de Janeiro, após informado de que os Altos Comandos Militares exigiam seu licenciamento do cargo de Presidente da República como condição para a solução da crise política dos últimos anos de seu segundo mandato, agravada pelo atentado do dia 5 de agosto contra o jornalista Carlos Lacerda - com a participação de membros da guarda pessoal de Vargas - e no qual morreu o major da Aeronáutica Rubens Vaz.

Bacharel pela Faculdade de Direito de Porto Alegre (1907), saiba sobre a histórica Faculdade clicando aqui ó elegeu-se pelo Partido Republicano Rio Grandense deputado estadual, deputado federal e líder da bancada gaúcha, entre 1923 e 1926. Foi Ministro da Fazenda de Washington Luís (1926-27) e presidente do Rio Grande do Sul (1927-1930). Em 1929 candidatou-se à presidência da República na chapa oposicionista da Aliança Liberal. Derrotado, chefiou o movimento revolucionário de 1930, através do qual assumiu em novembro deste mesmo ano o Governo Provisório (1930-34).  Durante este período, Vargas deu início à estruturação do novo Estado, com a nomeação dos interventores para os governos estaduais, a implantação da justiça revolucionária, a criação do Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e a promulgação das primeiras leis trabalhistas.

Em 1932, eclodiu a Revolução Constitucionalista em São Paulo, quando o Partido Republicano Paulista e o Partido Democrático de São Paulo, unidos em uma frente única, organizaram grande contingente de voluntários em luta armada contra o Governo Provisório. Iniciado em 9 de julho, este movimento estendeu-se até 1º de outubro.

O término do movimento paulista marcou o início do processo de constitucionalização. Em novembro de 1933, instalou-se a Assembléia Nacional Constituinte, responsável pela promulgação da nova Constituição e pela eleição de Getúlio Vargas como presidente da República, em julho de 1934.

Durante o período em que governou constitucionalmente o país, cresceu a atuação da Ação Integralista Brasileira (AIB), de inspiração fascista, e surgiu a Aliança Nacional Libertadora (ANL), movimento polarizado pelo Partido Comunista Brasileiro, então Partido Comunista do Brasil (PCB). O fechamento da ANL, determinado por Getúlio Vargas, bem como a prisão de alguns de seus partidários, precipitaram as conspirações que levaram à Revolta Comunista de 1935, que eclodiu em novembro em Natal, Recife e no Rio de Janeiro.

Em 1937, preparavam-se as eleições presidenciais para janeiro de 1938, quando foi denunciado pelo governo a existência de um plano comunista, conhecido como Plano Cohen. Esta situação criou um clima favorável para a instauração do Estado Novo, que ocorreria em novembro deste ano.

ESTADO NOVO

Com a instauração do Estado Novo em 10 de novembro de 1937, Getúlio Vargas determinou o fechamento de Congresso, outorgou uma nova Constituição, que lhe conferia o controle dos poderes Legislativo e Judiciário. No início do mês seguinte, Vargas assinou decreto determinando o fechamento dos partidos políticos, inclusive a AIB. Em 11 de maio de 1938, os integralistas insatisfeitos com o fechamento da AIB, invadiram o Palácio Guanabara, numa tentativa de deposição de Vargas. Esse episódio ficou conhecido como Levante Integralista.

Entre 1937 e 1945, duração do Estado Novo, Getúlio Vargas deu continuidade à estruturação do Estado, orientando-se cada vez mais para a intervenção estatal na economia e para o nacionalismo econômico. Foram criados nesse período o Conselho Nacional do Petróleo (CNP), o Departamento Administrativo do Serviço Público (DASP), a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN) e a Fábrica Nacional de Motores (FNM), entre outros.

Com a eclosão da Segunda Guerra Mundial, em 1939, Vargas manteve um posicionamento neutro até 1941, quando da assinatura do acordo entre Brasil e Estados Unidos, pelo qual o governo norte-americano se comprometia a financiar a construção da primeira siderúrgica brasileira, em troca da permissão para a instalação de bases militares no Nordeste.

Após o torpedeamento de navios brasileiros por submarinos alemães, em 1942, foi declarado o estado de guerra à Alemanha, Itália e Japão - países do Eixo. Em novembro do ano seguinte, Vargas criou a Força Expedicionária Brasileira (FEB), cujo primeiro escalão foi mandado em julho de 1944 para combater na Itália.

Com o término do conflito em 1945, as pressões em prol da redemocratização ficaram mais fortes, uma vez que o regime do Estado Novo não se coadunava com os princípios democráticos defendidos pelos países aliados durante todo o conflito. Apesar de algumas medidas tomadas, como a definição de uma data para as eleições, a anistia, a liberdade de organização partidária, e o compromisso de fazer eleger uma nova Assembléia Constituinte, Vargas foi deposto em 29 de outubro de 1945, por um movimento militar liderado por generais que compunham seu próprio ministério.

DEPOSIÇÃO E VOLTA AO PODER

Afastado do poder, Getúlio Vargas retirou-se para sua fazenda em São Borja, no Rio Grande do Sul, apoiando a candidatura do general Eurico Dutra, seu ex-ministro da Guerra, à presidência da República. Nas eleições para a Assembléia Nacional Constituinte de 1946, Vargas foi eleito senador por dois estados: Rio Grande do Sul, na legenda do Partido Social Democrático (PSD), e São Paulo, pelo Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Por esta legenda, foi também eleito representante na Câmara dos Deputados por sete estados: Rio Grande do Sul, São Paulo, Distrito Federal, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Bahia e Paraná. Assumindo seu mandato no Senado como representante gaúcho, Getúlio Vargas exerceu também a legislatura que se seguiu (1946-1949).

Candidato à presidência da República pelo PTB, em 1950, Getúlio Vargas derrotou os candidatos, Eduardo Gomes (UDN) e Cristiano Machado (PSD), elegendo-se com 3.849.000 votos.

Seu segundo período de governo foi marcado pela retomada da orientação nacionalista cuja expressão maior foi a luta para a implantação do monopólio estatal sobre o petróleo, com a criação da Petrobrás e pela progressiva radicalização política. Vargas enfrentava oposição cerrada por parte da UDN, em especial do jornalista Carlos Lacerda, proprietário do jornal carioca Tribuna da Imprensa .

SUICÍDIO E CARTA-TESTAMENTO

O atentado realizado contra Lacerda no início de agosto de 1954, no qual foi morto o major-aviador Rubem Florentino Vaz, detonou a crise final do governo, pelo envolvimento da guarda pessoal de Vargas no episódio. Para a investigação do que ficou conhecido como Atentado da Toneleros, foi instaurado um inquérito policial-militar, pelo Ministério da Aeronáutica. Pressionado pelas Forças Armadas, durante reunião ministerial realizada na madrugada de 23 para 24 de agosto, Vargas se viu confrontado com a eminência da renúncia ou deposição, e suicidou-se com um tiro no coração, deixando uma carta-testamento em que acusava os inimigos da nação como os responsáveis por seu suicídio.

Texto extraído do site do Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil (CPDOC), da Fundação Getúlio Vargas. O texto está disponível no endereço eletrônico http://www.cpdoc.fgv.br

 

A expressão "Era Vargas" se refere ao importante período de nossa História Contemporânea iniciado pela Revolução de 1930 e que foi marcado por grandes transformações econômicas e sociais. Para alguns intérpretes a Era Vargas pode ser dividida em duas fases, correspondentes aos dois períodos em que Getulio ocupou a presidência da República: de 1930 a 1945, e de 1951 a 1954. Para outros, porém, a Era Vargas seria mais ampla: se iniciaria em 30 mas se estenderia até o final do regime militar de 1964 a 1985 (incluindo até mesmo o período marcado pela Constituição de 1988). De um modo ou de outro, porém, o termo é freqüentemente utilizado para designar um período de forte intervenção do Estado na economia, com grande centralização de recursos e crescimento das agências regulatórias e empresas estatais, num esforço de grandes proporções voltado para a industrialização e rápido desenvolvimento econômico do país.

O governo Vargas iniciou-se com o movimento armado de 1930, que derrubou o governo de Washington Luís e pôs fim à chamada República Velha. Vargas foi chefe do Governo Provisório de 1930 a 1934, quando se tornou presidente eleito indiretamente pela Assembléia Nacional Constituinte. Em 1937 assume a chefia do governo ditatorial, e é deposto em 1945. Volta ao poder pelo voto direto em 1950 e sai do palácio no dramático 24 de agosto de 1954, quando resolve a crise político-militar do momento pondo fim à vida.

A geração que galgou o poder junto com Vargas transformou profundamente a estrutura e o escopo do poder, passando este a agir sobre setores da sociedade até então mantidos à margem da ação do governo. No seu tempo consolidou-se a crença de que no Estado, do Estado e pelo Estado viria a solução dos problemas brasileiros. Dessa crença derivaram inúmeras iniciativas do governo que marcaram pelo menos 60 anos da história brasileira. Foi através delas que o Brasil deixou de ser um país agrícola, com a maioria de sua população vivendo no campo, para chegar ao que é hoje, uma sociedade urbano-industrial com todos os problemas decorrentes dessa transformação em tão rápido espaço de tempo.

No plano político, a Revolução de 1930 produziu um movimento de centralização que transferiu o poder dos estados da federação para o governo central, o qual passou a assumir papel crescente na sociedade e na economia. No plano econômico, teve lugar um intenso movimento de industrialização e urbanização que, nos anos 50, se fez acompanhar de políticas deliberadas de desenvolvimento. O processo de modernização envolveu um Estado capaz de agir sobre setores da economia e a criação de diferentes órgãos para a implementação das novas políticas.

No plano social, foi criado o Ministério do Trabalho, assim como a Justiça do Trabalho, para atuar nas relações entre o capital e o trabalho. A ação do Estado regulando as atividades profissionais e a estrutura sindical com o imposto único permaneceram como legados da Era Vargas. No plano cultural, o governo criou instituições que atuaram nos campos da educação formal, do teatro, da música, do livro, do rádio, do cinema, do patrimônio cultural, da imprensa. Abriu espaço para a crescente participação dos intelectuais no projeto de construção de uma identidade nacional. Pretendeu modernizar resgatando as tradições nacionais através da ação do Estado no campo da cultura.

O papel do Estado no Brasil contemporâneo foi central tanto nos períodos de governo autoritário (de 1937 a 1945 e de 1964 a 1985) quanto no período de democracia liberal, com partidos e Congresso em funcionamento (de 1945 a 1964). Este pode ser entendido como um dos principais legados da Era Vargas.

Texto extraído da apresentação do CD-ROM " A Era Vargas - 1º tempo - dos anos 20 a 1945 ", lançado pelo CPDOC da Fundação Getúlio Vargas, em 1997, sob coordenação-geral da prof. Lúcia Lippi Oliveira. O texto está disponível no endereço eletrônico http://www.cpdoc.fgv.br

Vargas ficou conhecido como o "pai dos pobres"

Ao longo de sua primeira passagem pelo poder (1930-1945), mas principalmente durante o período do Estado Novo (1937-1945), Vargas implementou, pela 1ª vez na História do país, uma abrangente política de direitos sociais e trabalhistas, alguns destes antigas reivindicações das classes populares brasileiras. Além disso, ao longo do Estado Novo essas realizações foram sistematicamente divulgadas por um aparato de propaganda de massas que prestaram um verdadeiro "culto à personalidade" do então ditador.

"Populismo"? Por que Getulio Vargas - e outros - foram chamados de "populistas"?

O termo "populismo" é um dos mais controversos da literatura política, possuindo várias conotações. De modo geral, contudo, o termo tem sido utilizado, no Brasil e na América Latina, para designar a liderança política que procura se dirigir diretamente à população sem a mediação das instituições políticas representativas, como os partidos e os parlamentos - ou ainda contra elas - apelando a imagens difusas como as de "povo", "oprimidos", "descamisados", etc. Em nossa história recente, líderes como Vargas , João Goulart , Juscelino Kubitschek , Jânio Quadros , Ademar de Barros, Leonel Brizola, e outros, foram chamados de "populistas".

Texto adaptado do site http://www.cpdoc.fgv.br do CPDOC, Centro de Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil, da Fundação Getúlio Vargas, onde o acervo de Getúlio Vargas é o mais pesquisado, a qual acaba de disponibilizar a consulta de todo acervo via Internet:

Os originais do diário de Getúlio Vargas e outros documentos escritos entre 1930 a 1942, num total de 55.000 páginas, podem ser acessados gratuitamente, inclusive fotografias, que podem ser reproduzidas: www.cpdoc.fgv.br/comum/htm.

Outras fontes de consulta:

ABREU, Luciano Aronne de. Getúlio Vargas: a construção de um mito (1928-30). Porto Alegre: Edipucrs, 1997.

FARIA, Antônio Augusto; BARROS, Edgard Luiz. Getúlio Vargas e sua Época . São Paulo: Global ED.1997.

FERREIRA, Jorge. Trabalhadores do Brasil: o imaginário popular 1930-1945 . Rio de Janeiro: Fundaçao Getúlio Vargas, 1997.

FRANCO, Sérgio da Costa. Getúlio Vargas e outros ensaios. Porto Alegre : Ed. da Universidade/UFRGS, 1993.

GETÚLIO VARGAS: edição histórica . São Paulo: Abril, [s.d].

MENDES, Oswaldo. Getúlio Vargas . São Paulo: Moderna, 1998.

PEIXOTO, Alzira Vargas do Amaral. Getúlio Vargas: meu pai. Rio de Janeiro: Globo, 1960.

SILVA, Hélio. 1945, porque depuseram Vargas . Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1976. (O Ciclo de Vargas, v.16)

SILVA, Hélio. Vargas: pensamento político. Porto Alegre: L&PM, 1980.

VARGAS. Getúlio. Getúlio Vargas: diário 1930-1936 . São Paulo: Siciliano; FGV, 1995.

VARGAS. Getúlio. Getúlio Vargas: diário 1937-1942. São Paulo: Siciliano; FGV, 1995.

* Publicações disponíveis no Acervo da Biblioteca Pública do Estado do Rio Grande do Sul ( www.bibliotecapublica.rs.gov.br )

 

Conheça o excelente ensaio de Claudia Wassermann

Professora de História Contemporânea da América Latina na UFRGS e Doutora em História Social pela UFRJ

Sobre Getúlio, clique aqui ó

 

A influência de Vargas e de outros rio-grandenses, governando o Brasil na maior parte do Séc.XX, pode ser mensurada pelo bairrismo anti-gaúcho especialmente de parte de cariocas e paulistas enciumados. Veja mais sobre esse bairrismo clicando aqui þ

 

A influência da Faculdade na vida Social e política do RS e do Brasil tornou-se notória, principalmente na fase “áurea” – até os anos 50. Na segunda metade do século XX, especialmente a partir dos extremos desencadeados pela Revolução de 64.    Primeiro, a restrição à liberdade de informações e conseqüentemente de pensamento prejudicou a qualidade do ensino. Receosos de dizerem o que pensavam, os professores não conseguiam passar aos alunos a plenitude cultural. Depois, a nova situação política liberal demais prejudicou a autonomia universitária. Essa situação começa a mudar a partir de década de oitenta com uma nova geração de professores. A “Casa de André da Rocha” – alusão a um dos principais fundadores da Faculdade, um dos pilares da construção e doador do terreno sobre o qual foi erigida a secular instituição, - possui formandos com destaque além de Getúlio Vargas:  João Neves da Fontoura e João Goulart na vida política. Na magistratura,  vários Presidentes do Tribunal de Justiça.  Na docência, Armando Câmara e Ruy Cirne Lima, que também mereceu destaque na doutrina, e Maurício Cardoso, na advocacia.

Conheça a história da Faculdade de Getúlio clique aqui è

Da História da Faculdade conheça o Mestre inolvidável  Prof.Dr.Clóvis Veríssimo do Couto e Silva clicando aqui ð

Aperfeiçoando para 1 Mundo Melhor:

Visite algumas de nossas páginas especiais como:

 

Shibumi ó descoberta do caminho da simplicidade e perfeição

Trabalhos Jurídicos  ó http://www.padilla.adv.br/teses - Clique aqui para  acessar centenas de trabalhos publicados desde a década de oitenta listados em ordem alfabética. Destacamos novidades toda semana.

Reflita sobre meditar & perguntar clique aqui ó

Nova disciplina Direito Desportivo

Entender elaboração das decisões judiciais ? clique aqui ó

 

Conhecer melhor a linguagem:   Instrumento do Jurista clique aqui ó

Aprenda mais e melhor clique aqui

Entenda a  idolatria  no esporte

Ética è clique aqui ó

Rápida apresentação do Professor PADilla clique aqui ü

Importante fator de desenvolvimento pessoal e auxílio à Ética à Místico

Outros importantes fatores de fomento à ética è Karate e Artes Marciais

Espanha e Família PADilla clique aqui ó

História do IBDP Instituto Brasileiro de Direito Processual no RGS. 

Grupo Espiritualista Casa de João Pedro

Apometria

Lutando pela dignidade na  Advocacia Pública clique aqui

* Aperfeiçoar é construir 1 Mundo Melhor.   . *Saite em construção no domínio próprio desde 14 de dezembro de 2003. Desde então o novo contador registra     Contador  visitas.    Mas - sem contar visitas às páginas criadas em outros sítios de Internet como http://nossogrupo.abril.com.br (extinto em dezembro de 2003), ou yahoo. - considere mais 3.278 acessos às páginas pessoais como http://pessoal.osite.com.br/~padillaluiz; http://pessoal.mandic.com.br/~padillaluiz; http://www.direito.ufrgs.br/pessoais/padillahttp://pessoal.portoweb.com.br/padilla; http://virtual.pt.fortunecity.com/virus/52/ e visitas às páginas temáticas criadas nos Grupos somando em novembro de 2003 136.706.382 visitas.   Impressionante ?  Que dirás, então, ao saber de dados de novembro de 2004 quando um dos Grupos Temáticos ultrapassou 20 BILHõES de visitas?  Conheça nossos Grupos Temáticos clicando aqui ó

Luiz Roberto Nuñesos PADilla